quinta-feira, 24 de abril de 2008

trem da memória (fragmento)

foto Mario De Biasi

Tudo foi tão de repente
diante dos meus olhos
que não houve tempo
para retornar ao corpo do menino
que brincava na calçada.

A memória viaja
- trem inútil -
e não traz as roupas
que se vestia nas tardes de domingo
e a estrada some
deixando o mundo
como um grande circo
na praça da estação.

(do livro “Trem da memória – um poema”)

2 comentários:

Dioneide disse...

Nirton

Retornando e passando pra deixar um abraço.
Aqui sempre melhor..
Bj

rubens disse...

esse trem sem destino da memória faz a gente ir por cantos estranhos. não lembro de trem em fortaleza - cidade onde nasci e vivi - nem de circo. essa lembrança apareçe intensa em Crateús, cidade onde passava férias

beijo