terça-feira, 3 de junho de 2008

exílio

foto Lukas Stevenson

Escrevo-te distante.
Não meu corpo tão longe do mar:
distante do oceano.

Vivo por enquanto a quilômetros de mim.
O que restou aos teus olhos
é o que mantém a lembrança
de um pouco que me definia.

Vago a olhar-me para trás
e de lá tento me alcançar de volta.

Não me perguntes o que houve.
Tão logo um lado e outro se reencontrem
passarei por tua casa.

(do livro “Poesia provisória”)

2 comentários:

Valéria disse...

belíssimo este poema... de levar e, se um dia vc deixar, fazer imagem dele...
um abraço

Nirton Venancio disse...

Valéria, fique à vontade com poema, com as imagens que lhe trazem...
um abraço.