segunda-feira, 12 de outubro de 2009

viés


foto Carlos Vilela

O poeta percebe 
de forma
estranha.
Por isso percebe. 

(do livro "Poesia provisória")

8 comentários:

LIVRE disse...

O poeta percebe, apenas isso...

Adriana Fernandes disse...

Encontrei vestígios de seus passos no quintal de Selma, perto do local onde plantei uma árvore. Por se tratar de um quintal e por ser de Selma, tem dado frutos de primavera a primavera. Não lembro mais exatamente qual a porta que me trouxe até aqui; a verdade é que já não tenho mais vontade de voltar. Um abraço!

Nirton Venancio disse...

Karla, seu comentário sempre precioso...

Nirton Venancio disse...

Que bom que do quintal da Selma você chegou até aqui...agora eu que vou seguir suas pegadas, Adriana.

J.F. de Souza disse...

Perceber é um verbo que, não sei por quê, nunca havia pensado antes em usar prum poema... =)

1[]!

Nirton Venancio disse...

Vamos percebendo...

Renata de Aragão Lopes disse...

Realmente,
inexiste percepção
em que não haja
estranheza...

Há muito,
já concebia Quintana
o seu "Baú de espantos"!

Passearei um pouco mais
pelo seu espaço.
Prazer em conhecê-lo!

Um abraço,
doce de lira

Nirton Venancio disse...

Renata, prazer em conhecê-la. Agora vou ao doce lira...