sábado, 27 de outubro de 2007

unidade

foto Rubens Venancio


Cada dia
tem sua porção de vida
tem sua imensidão de luz
tem sua solidão de gente
cada dia
cabe em si mesmo
como cabem na terra
a colheita e a semente.

Cada dia
tem seu ontem e amanhã
tem seu silêncio de espera
tem sua largura de saudade
cada dia
cabe em si mesmo
como cabem no continente
a distância e a cidade.

Cada dia
tem seu mar e os peixes
tem seus barcos e as viagens
tem seus remos e mãos fortes
cada dia
cabe em si mesmo
como cabem no porto
o rumo do sul e do norte



(do livro "Poesia provisória")

3 comentários:

Rayanne disse...

Cada diua tem distâncias,
Carregando idades em mim
Cada dia feito de ausências,
Borda meus encontros, meu sim.

**Estrelas**

glória disse...

Cada dia guarda gratas surpresas! Teu poema povoou essa minha sexta-feira com um sopro de vastidão! Teu olhar tinge as manhãs com todas as cores que habitam cada dia e poucas retinas alcançam. Assim como:

"cada dia
cabe em si mesmo
como cabem no continente
a distância e a cidade"

bjs

deborah dornellas disse...

Cada dia vem num sopro
num modo de ser, num trato
cada dia é um todo
inexato.

Lindo poema, Nirton!