domingo, 23 de julho de 2006

impregnados

foto Eric Alan Pritchard

Ele fechou a porta e saiu. Precisava ir embora. Não era o que ele queria: era o que precisava. Não lhe era fácil ouvir o que ouviu e ter de ir embora. Fechou a porta e saiu. Agora as palavras ficaram atrás da porta, lá dentro do quarto. E dentro dele também continuariam. “Não vou tomar banho”, disse ela. Ele ouviu e não entendeu. Ela, com o rosto virado e apoiado nas duas mãos juntas, repetiu baixinho “não vou tomar banho”, como se agora fosse somente para si. Mas ele ouviu as palavras sussurradas no dorso das mãos, ali do outro lado, ela de costas para ele, ele que fixava o olhar no teto. Desprendeu-se, virou o rosto e olhou para ela. O cabelo cobria-lhe a nuca. O olhar dele tentou desembaraçá-los e atravessar até o outro lado, ver o seu rosto, ouvir de novo o que ela falara. “Nunca mais vou tomar banho, nunca mais”, continuou ela. Esboçou um gesto de afago em seus cabelos, não para que ela virasse o rosto, o que poderia ter sido ótimo, e esta história seria diferente, mas ele não fez da intenção um gesto sequer. Voltou o rosto para o teto. “Quero ficar com seu cheiro em meu corpo”, disse ela mais uma vez, alongando-se nas palavras, e foi no momento em que ele fechou os olhos para não ficar mais uma vez fixo naquele branco do teto, naquela lâmpada apagada, naquela luz do dia que começava. Fechou os olhos e as palavras dela entraram mais fortemente em seus ouvidos. “Para sempre... quero ficar com seu cheiro pra sempre”, era quase um murmúrio, mas ele ouviu nitidamente cada palavra, ali do outro lado, com o rosto nas mãos juntas, as mãos por cima do travesseiro fino. Ele não conseguia abrir os olhos. As palavras ressoavam em sua cabeça, se estendiam lentamente lá por dentro e sumiam quando novamente as palavras voltavam, “seu cheiro em mim... pra sempre”. Abriu os olhos, decidira: precisava ir embora: não queria: precisava. Levantou-se e o ruído da cama encobriu uma talvez repetida fala. Ele se vestiu enquanto olhava para ela, ali deitada, confundida entre os panos, a brancura dos lençóis, a extensão da cama que parecia maior agora. Não podia ficar olhando-a, ou ficaria ali. Não queria ir embora: precisava. Virou-se e foi em direção à porta. Abriu lentamente, como se ela estivesse dormindo e não quisesse acordá-la. Fechou a porta e saiu. Precisava ir embora. Não era o que ele queria: era o que precisava. Não lhe era fácil ouvir o que ouviu e ter de ir embora. Fechou a porta e saiu. Agora as palavras ficaram atrás da porta, lá dentro do quarto. E dentro dele também continuariam.

(do livro “Outras prosas”)

8 comentários:

Rayanne disse...

Triste.
Porque precisava, mas tão triste. E o amor é triste quando perde o ritmo e ecoa a fala, repete a cisma e a doçura cala. Tão triste...
Estrela em silêncio.

Claudio Eugenio Luz disse...

Outras prosas, meu caro, me deixa na mão, sem saber por onde ir; impregnado, sem dúvida, após essa leitura.

hábraços

Nirton Venancio disse...

Rayanne, Cláudio, tentei deixar as palavras atrás da porta... o amor tem dessas coisas.

Meu carinho pra vocês.

Marla de Queiroz disse...

Quando ele foi embora não se despediram.Juntou silenciosamente um punhado de coisas e saiu enquanto ela fingia o mais profundo dos sonos. Seu corpo ainda estava quente e nu, sua doçura adormecida e sua alma deserta...

Nem quis olhá-lo fechando a porta para não ser promovida pelo desespero.

Beijos, querido.

sayô disse...

"tentei deixar as palavras atrás da porta... o amor tem dessas coisas." dentre outras coisas mais...beijos Nirton

Dora disse...

"Não era o que ele queria..." Como em tantas milhares de opções que se tem pela frente!
Mas, os "resíduos" ficaram em ambos, e isso importa, porque o percurso é feito desses restos que vão se acumulando e fazendo a vida.
Beijos.
(Gostei de lê-lo nessa prosa, que, na verdade é poesia também...).
Dora

Nirton Venancio disse...

Marla, seu olhar sobre o texto é perfeito. É lírico.

Sayô, quanto tempo, hem? Agora fique impregnada por aqui...

Ô, Dora, Doralice, "eu bem que lhe disse, amar é tolice"...
E eu gostei de ser lido por você.

Beijos!

Nanna disse...

Não queria. Precisava. Mas o amor continua lá dentro. No peito...

Maravilhoso seu texto...

Beijos!
:)