domingo, 13 de janeiro de 2008

anônimo

foto Jerry Schatzberg

Eu nunca deixo pistas dos meus pecados.
Escondo meus delitos
e deixo a condenação para a volta.
Estou muito apressado.

Eu nunca deixo atalho
para me descobrirem:
prefiro o próximo encontro
com o que encontrar próximo aos meus olhos.

Eu nunca deixo traços dos meus planos.
Deixo o resultado de tantos enganos
como pudesse ser também seu
aquilo que foi somente meu.

Não passo procuração para sentimentos
enquanto viajo para lugar desconhecido.

Este poema pode me custar a vida.
Podem me custar os amigos.
E me gostarem os inimigos.

Mas não deixarei rascunho dos meus reversos.


(do livro “Poesia provisória”)

8 comentários:

Di disse...

Sua leitura preferida têm sido o livro "poesia provisória". Adoooro poesia, enfeita em palavras a vida.

Boa semana! :D

Nirton Venancio disse...

Di, "Poesia provisória" é meu terceiro livro de poesia, que deve ser publicado neste ano. Autografarei um pra você.

LIVRE disse...

Começamos 2008 inspirados !!! Parabens pela sensibilidade

Nirton Venancio disse...

minha cara menina do blog Livre, passei por sua página, e realmente você começou este ano bissexto ainda mais inspirada...

Di disse...

Agradeço a gentileza!!!
Deve ser legal conseguir colocar em poesia o que sua sensibilidade capta. :D

Dioneide disse...

Beleza de poema...


"prefiro o próximo encontro
com o que encontrar próximo aos meus olhos."

Adoro seu blog..é como meu quarto mais íntino....rs
Bj

Wilkie disse...

Beleza de blog...
Acho que, há uns anos atrás, li um poema seu (Jornal O Povo?) chamado "Exumação". À época, eu estava desejando reviver uma velha história e o poema veio bem a calhar...
É seu mesmo ou estou enganado? Se for, onde posso encontrá-lo?
Parabéns por tudo que vc escreve!
Wilkie.

Nirton Venancio disse...

Wilkie,
escrevi muito no jornal O Povo, quando morava em Fortaleza. Mas não tenho nenhum poema com o título "Exumação". Talvez outro título parecido...
Você tem blog?