sexta-feira, 8 de abril de 2011

o deserto de cada dia


Metrô lotado. Braços e corações pendurados no balanço subterrâneo. Todos ilhados em seus ipods. O vagão é um deserto pulsante.

6 comentários:

Lara Amaral disse...

Verdade... Um pulsar intenso de vários ritmos.

Abraço!

Eliane Silvestre disse...

que lindo Nirton!

Magna Mastroianni disse...

solidão na multidão!!!!

Deborah Dornellas disse...

lindo e triste.

Deborah Dornellas disse...

É assim que me sinto nos metrôs de Sampa. Sem ipod, porque eu gosto de observar, ouvir, refletir sobre o que o ambiente me traz. Me é confortável a sensação de ser anônima, mais uma na multidão. É como naqueles versos da Adélia, o gado nas igrejas, tocando-se os chifres...

Danny disse...

Muito bom!