sexta-feira, 5 de maio de 2006

lembrança

foto Kiriko Shirobayashi

Lembro-me que te olhava
e estavas nua
e não havia por perto
nem roupas nem sombras
que te levassem de volta
à sala.


Ficamos únicos
como uma lembrança
do mesmo quarto
dentro de nós.

(do livro "Poesia provisória")

11 comentários:

Claudio Eugenio Luz disse...

A passagem "e não havia por perto
nem roupas nem sombras
que te levassem de volta" revela uma sutileza pertubadora. Indigentes que somos, essa lembrança foi capaz de ressuscitar atmosferas escondidas no interior do coração.

hábraços

claudio

Dioneide Costa disse...

Muito profundo o poema...

"Ficamos únicos
como uma lembrança
do mesmo quarto
dentro de nós."

E esse quarto dentro de nós..quarto dos pensamentos..dos mistérios do amor e dos encantos!

Lela disse...

Esta lembrança que não se desfaz e é partilhada por dois em intensidade símile é algo pra seguardar sempre. Bju

Aerodrama disse...

Muito belo!!!!

Um abraço,
Aerodrama.

Dora disse...

Bonito! Bonito jeito de "dizer" de uma coisa única...compartilhada, até na lembrança!!!
Beijos!
Dora

Aerodrama disse...

De passagem para agradecer seus comentários em meu blog. Muito obrigado.

Um abraço,
Aerodrama.

Lela disse...

Já dançou um tango?

Valéria disse...

por vezes, quando ficamos nuas, nada há que nos leve, de volta a nós mesmos... e isso é tão bom...
um beijo

Lela disse...

Uma boa semana pr'ocê

Ivã Coelho disse...

Uma lembrança em duas cabeças diferentes, um quarto para a mesma dor. Belezuras infinitas.

Boa semana, meu caro.

Lia Noronha disse...

Lindo poema..diz tudo em pouquíssimas palavras...Abraços e boa noite.