quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

medida

foto Carlo Santis

Caberão no poema

quando
soltos,
os beijos

quando
largos,
os abraços


quando
estradas,
os passos
?


(do livro “Poesia provisória”)

11 comentários:

Pavitra disse...


eu já disse, não assim
e direi mais um vez, de outra forma:

sua poesia provisória
tatua-se nos meus olhos
na minha alma

cabe em mim, o contrário, não sei...

beijos!

Nirton Venancio disse...

Pav, bom saber que esses meus versos não são à toa... Fico feliz com os reversos que eles provocam.

Pavitra disse...


bom dia, nirton!

olha, se depender de mim seus versos nunca serão à toa... imagina!!

beijos.

Mariana disse...

os largos abraços tem a dimensão certa pra um poema.

Nirton Venancio disse...

Mari Mariana, um abraço largo pra você...

Mariana disse...

cabe no poema...

Dioneide disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nirton Venancio disse...

quando
navego,
os... ???

Dioneide disse...

Gostei do poema!Pronto..

Quanto ao comentário anterior achei melhor excluir, o pensamento falhou, pois as vezes minhas idéias surgem com muita velocidade, parece que há um engarrafamento no cerébro e eu não consigo acompanhá-las mais..rs), trava, os pensamentos ficam rápidos demais , velozes e passam por mim..e nessas horas nada pode ser feito.( não adianta bater a cabeça na parede..rs)

Os pensamentos passam de um momento atormentado para outro, as vezes aumenta e outras vezes diminui a velocidade e também a mente causa uma confusão que parece um campo de batalha...é melhor nem insistir mais em pensar naquilo de outrora...

Estou sendo depudoradamente honesta !
abraços

Dioneide disse...

quis dizer " despudoradamente" honesta.

J.F. de Souza disse...

Desde que não se use métrica alguma...

Por isso, defendo que poemas não devem ter métrica! É imensurável!